Tipos de pele: qual é o seu e como cuidar da melhor forma?

Tipos de pele: qual é o seu e como cuidar da melhor forma?
Publicado em: Bem-estar

Aqui estão ótimas dicas de uma dermatologista para você ver ainda mais efeito na sua rotina de cuidados!

É muito prazeroso cuidar da pele, não é? Usar um sabonete que traz inúmeros benefícios, passar filtro solar e notar os efeitos desses cuidados com o passar do tempo. Por isso, conhecer os tipos de pele ajuda demais nas rotinas de beleza e permite que sua pele fique radiante de verdade — porque você está tendo uma vida saudável de fato.

A questão é que é preciso conhecer seu tipo de pele antes de comprar qualquer produto, mesmo se usar dermocosméticos. Às vezes, apostar em um cosmético indicado por um colega ou mesmo por alguém que você segue nas redes sociais não vai trazer o efeito esperado, sabia? Simplesmente porque aquele item não é interessante para o seu tipo de pele em específico.

Se quiser entender quais são os tipos de pele e conhecer melhor os cuidados com cada um, vale a pena continuar com a gente. Conversamos com a dermatologista Katleen Conceição, que também é especialista em pele negra. Acompanhe para se cuidar melhor!

Então, quais são os tipos de pele?

Podemos falar em cinco principais, sendo que, no Brasil, como Katleen destaca, a maioria das peles são oleosas. Entenda melhor cada um desses tipos de pele!

Pele normal

A pele normal é a que tem mais equilíbrio entre umidade e fabricação de sebo. “É uma pele com aspecto mais saudável, ela é aveludada, sem excesso de brilho e sem cara de ressecada. Os poros são menos visíveis também”, explica a especialista.

Mesmo assim, a pele normal pode até ter um pouco de oleosidade concentrada no rosto, sobretudo na zona T (testa e nariz), “principalmente com mudanças de acordo com o período hormonal, clima ou mesmo quando chega o fim do dia”, completa Katleen. Ela também lembra que esse tipo de pele não é muito comum no Brasil — que, como você viu, tem uma maioria de pele oleosa.

Os cuidados básicos

A pele normal, de acordo com a médica, dá um pouco menos de trabalho. Você pode usar um sabonete mais suave por todo o corpo, de pele normal a mista. No rosto, vale complementar a rotina com um tônico para dar luminosidade e o filtro solar, que pode ser sérum, gel-creme ou mesmo loção.

Pele seca

Esse tipo de pele perde mais água. Nesse caso, a especialista orienta a beber mais líquido que o normal. “A pele não tem poros visíveis e é mais craquelada. É comum notar essa pele em mulheres com menopausa ou que se expuseram muito ao sol sem os devidos cuidados. Ela também fica mais sensível”, aponta Katleen Conceição.

Os cuidados básicos

Se a pele é seca, a hidratação vira um ponto maior de atenção. Vale usar um sabonete com ação mais hidratante e, no rosto, um tônico com vitamina C para ajudar a uniformizar a hidratação da pele e a produção de colágeno. E tem mais: um filtro com ação mais hidratante, em geral associado ao ácido hialurônico ou vitamina C. Isso, claro, sem se esquecer de manter a hidratação do organismo em dia, ingerindo líquidos com regularidade.

Pele sensível

De acordo com a dermatologista, esse é um tipo de pele mais comum de observar em quem tem rosácea e em pacientes com alergia. Às vezes, até o ato de esfregar a toalha no rosto torna a pele ainda mais sensível, sabia?

Os cuidados básicos

É preciso escolher muito bem o que aplicar sobre o corpo, pois qualquer produto pode deixar a pele avermelhada, descamada e irritada. Você pode usar sabonetes à base de hamamélis e camomila, que são substâncias que ajudam a acalmar, tônicos com ação mais hidratante, como aqueles à base de niacinamida, que fazem com que a composição da pele não seja tão sensível. E aqui vai uma dica de ouro: “prefira filtro solar físico ao químico — o químico pode causar irritação”, recomenda Katleen.

Pele oleosa

Como você viu, é a maioria entre os brasileiros! "O que acontece é que, nesse tipo de pele, existe uma produção maior de glândulas sebáceas e aí a oleosidade vai acumulando ao longo do dia”, comenta Katleen. Vale dizer que pessoas de pele negra devem redobrar os cuidados, pois a tendência à pele oleosa é ainda maior.

Os cuidados básicos

As recomendações incluem o uso de sabonetes à base de ácido salicílico e glicólico, com ação secativa. Aqueles com argila branca também têm alto teor de adstringência. E, sobre o rosto, também é indicado aplicar tônicos com composição parecida com a dos sabonetes indicados pela especialista.

A médica conta que isso permite absorver a oleosidade, fazendo com que a pele não fique tão brilhante. “Quanto ao filtro solar, opte sempre pelos em gel-creme ou sérum, sem óleo na composição”, aconselha.

A pele oleosa tem mais um ponto de atenção, a acne. Aqui, há a inflamação e a hiperpigmentação, que são as manchas. Então, na pele oleosa é importante usar um produto com ácido, como o retinoico, sobre o rosto, colo e ombros, sobretudo à noite, além de substâncias uniformizadoras para ajudar a não hiperpigmentar a pele.

Pele mista

Chegamos ao último tipo de pele, no qual a oleosidade fica mais concentrada na zona T. “Ela pode ser confundida com a oleosa, então, tratamos da mesma forma, com sabonetes com ação adstringente, que absorvem a oleosidade, tônicos do mesmo tipo e filtros que não sejam gordurosos”, destaca Katleen.

Como identificar o meu tipo de pele?

Nesse ponto, Katleen Conceição recomenda a visita a um dermatologista. Desse jeito, você não erra na compra dos produtos e não causa nenhum tipo de alergia ou outra reação adversa. “A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) tem vários ambulatórios em todo o Brasil com serviços gratuitos ou a preços populares para atender a população”, recomenda.

E é importante ir com frequência, combinado? Porque nossa pele pode mudar! "Na pandemia, observamos que pacientes com a pele supercontrolada passaram a ter mais acne, por uso da máscara ou estresse", conta. As pessoas tiveram uma produção acentuada de sebo, junto do consumo de alimentos com alto teor de glicose, por causa da ansiedade que passamos.

Quais cuidados todos os tipos de pele devem receber?

Apesar das diferenças, alguns bons hábitos caem bem em qualquer pele, e Katleen revela quais são eles:

  • ter uma boa alimentação, com ingestão de legumes, verduras, grãos e, claro, tomar muita água. “Sempre opte por comer mais produtos naturais em vez de industrializados”;
  • praticar atividade física, porque ela ajuda a liberar as substâncias tóxicas do nosso organismo, além de produzir serotonina, que traz bem-estar. “A pele tem a ver com a nossa alma, como a gente se sente. Não adianta tratar a pele e estar cheio de questões e angústias ou noite mal-dormida”;
  • usar sabonete e filtro solar próprios para seu tipo de pele. “E, durante o dia, reaplicar o filtro. Mesmo dentro de casa, a gente sofre com a ação da luz visível e, por sermos miscigenados, a gente pigmenta mais. O filtro solar é como escovar os dentes”.

Busque também usar sempre bons itens, como os produtos da Granado. Afinal de contas, saber a procedência é essencial. “Faz total diferença saber de onde eles vêm e que você pode conversar com a marca se tiver alguma reação. São indicados produtos de empresas que respeitam o consumidor, porque elas têm todo um cuidado na hora de manusear e chegar até nós”, pontua a médica.

Então, procure um dermatologista para saber mais sobre os tipos de pele, descobrir o seu e começar os cuidados certos. Como Katleen nos contou, você pode até mesmo buscar os ambulatórios da Sociedade Brasileira de Dermatologia, só não pode deixar de cuidar da pele!

Agora, se já sabe qual é o seu tipo de pele, dê uma passada em nosso e-commerce para escolher seus produtos!

Carregando...
138 visualização(ões)

Colaborou para este conteúdo

Dra. Katleen Conceição
Dra. Katleen Conceição

Katleen Conceição é médica com Pós-graduação em dermatologia e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia do Rio de Janeiro. Especializada em pele negra, Katleen é chefe do Ambulatório de dermatologia para pele negra na Santa Casa de Misericórdia, no Rio, chefe do primeiro setor de dermatologia para pele negra no Grupo Paula Belotti e membro da Skin of Color Society, dos EUA.

Comentários
Deixe o seu comentário
Seu endereço de e-mail não será publicado