7 cuidados com a pele oleosa para melhorar o aspecto do rosto

7 cuidados com a pele oleosa para melhorar o aspecto do rosto
Publicado em: Bem-estar

Ter sua rotina de cuidados com o rosto logo cedo e, no meio da manhã, já sentir o rosto oleoso. Mais para o meio da tarde, então, nem se fala. Dá até vontade de lavar de hora em hora, não é? Se você sofre desse problema, é preciso ter mais atenção. 

Os cuidados com a pele oleosa são mais específicos e, em algumas vezes, é comum a gente achar que está fazendo algo benéfico quando, na verdade, o efeito gera ainda mais oleosidade.

Para conversar sobre esse assunto, nossa convidada é a dermatologista Juliana Neiva*, (acompanhe o trabalho da médica pelo Instagram). A especialista traz dicas práticas para sua rotina de skincare e mostra como alguns hábitos também impactam na oleosidade da pele. Vamos lá?

O que causa a oleosidade na pele?

Antes de mais nada, saiba que você não está sozinho nessa luta contra a pele oleosa. “Essa é uma característica muito frequente e uma das principais queixas que tenho no consultório”, comenta doutora Juliana.

A oleosidade começa a surgir já na entrada da adolescência, o que, de acordo com a médica, indica que o fator hormonal tem um papel importante no estímulo da glândula sebácea, que compõe a nossa pele. 

“Na adolescência, tanto homens quanto mulheres têm a pele mais oleosa. Além disso, um histórico precoce de oleosidade pode apontar para uma tendência de recorrência ao longo da vida”, explica Juliana.

No entanto, esse não é o único motivo. A genética também tem seu papel, por isso é importante observar o histórico familiar. Há ainda outros fatores, como:

  • a microbiota, tanto da pele quanto do intestino. “Quando as bactérias não estão balanceadas, as patógenas, que podem causar doenças, passam a ter um papel mais atuante e isso leva a uma oleosidade mais intensa”, explica Juliana Neiva;
  • o uso de maquiagem e séruns mais pesados;
  • alguns quadros hormonais, como a Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) nas mulheres e o hiperandrogenismo, bastante comum também nas mulheres

Hábitos e estilo de vida também contam

Apesar da manutenção da pele oleosa ao longo da vida ser muito particular, as nossas escolhas impactam diretamente nesse grau de oleosidade. Por isso, ao pensar em cuidados para a pele oleosa, você precisa considerar também suas opções alimentares.

Comidas com alto índice glicêmico e ultraprocessadas podem fomentar a glândula sebácea”, diz a médica. Nesse caso, tudo que tem muito açúcar, farinha refinada e alimentos processados, como embutidos, acaba sendo um estímulo extra à glândula sebácea.

Se você se pergunta se o chocolate entra nessa lista, dra. Juliana diz que não há nenhum estudo que comprove. Porém, quando é feito com ingredientes como leite e açúcar, pode implicar em mais oleosidade, sim.

O estresse é outro fator que merece ser comentado. Levar uma vida com estresse constante pode gerar processos inflamatórios que desencadeiam uma pele mais oleosa.

Quanto aos cuidados com a pele oleosa, qual é a rotina ideal?

Como você viu, a oleosidade da sua pele vem de um conjunto de fatores. Para melhorar o aspecto do seu rosto, a dermatologista Juliana Neiva também nos ajuda com dicas de cuidados com a pele oleosa.

1. Use o sabonete indicado para o tipo de pele

Higienizar a pele é o começo de toda rotina de skincare. “O ideal é lavar o rosto de duas a três vezes por dia com um sabonete apropriado, como aqueles que contêm enxofre e ácido salicílico em sua composição”, explica a especialista.

Esse tipo de sabonete ajuda a diminuir a produção do sebo e também na remoção do estrato córneo, que são as células mortas que ficam na camada mais externa da nossa pele. 

2. Aposte em um tônico suave

O tônico, que também deve conter enxofre e ácido salicílico, é o segundo passo da higienização e ajuda a diminuir o quadro de oleosidade. Outro cuidado fundamental está em optar por produtos suaves e que não irritem a sua pele. O seu dermatologista também pode indicar algum produto que combata a oleosidade, mas isso “depende do grau de oleosidade, da idade e do sexo do paciente”, cita Juliana.

3. Não lave o rosto mais que duas ou três vezes

A oleosidade faz a gente ter vontade de lavar diversas vezes, é natural. Mas o recomendado pela doutora Juliana são duas ou três vezes ao dia — ao lavar mais que isso, você vai sofrer com o efeito rebote: “a pele entende que se estou removendo muita proteção, tenho que fazer mais ainda. E assim vem esse rebote de oleosidade”, comenta Juliana.

4. Faça esfoliação até duas vezes na semana

A esfoliação, até duas vezes na semana, é uma ótima prática, pois ajuda a renovar a pele e eliminar as células mortas que vão se acumulando. Porém, não mais que duas vezes também, ou o efeito rebote pode resultar em mais oleosidade.

5. Evite usar produtos pesados

Quantas vezes não lemos uma resenha e nos encantamos pelos benefícios de um produto? O ideal é conhecer sua pele e entender se a opção é boa ou não. Para peles oleosas, o ideal são itens mais leves e livres de óleo.

A maquiagem também conta bastante, ainda mais quando você aposta em produtos pesados. O mais indicado é usar itens mais leves e com efeito matificante.

6. Aposte na hidratação

“É mito que a pele oleosa não precisa de hidratação. Pele hidratada é mais saudável e tem mais resistência”, conta Juliana Neiva. Assim, use hidratantes mais leves, como os em gel ou com toque seco, evitando loções, cremes e séruns mais gordurosos. “Não se esqueça de que a pele oleosa e com acne também pede hidratação”, lembra a médica.

7. E também no uso de filtro solar

Os raios ultravioletas prejudicam muito a nossa pele, por isso, independentemente do tipo de pele, você precisa de filtro solar diariamente. Como Juliana Neiva explica: “o protetor pode ter controle de oleosidade na formulação. Já existem filtros assim, como os com oil control, toque seco e efeito matte. Afinal, desagrada o paciente de pele oleosa sentir que ela está mais grudenta”.

Pele oleosa sempre vai ter acne?

Não necessariamente, mas é fato que “uma pele oleosa pode antecipar um quadro de acne”, como a dermatologista Juliana Neiva explica. A acne também está associada aos quadros de estresse, de desequilíbrio da microbiota e de problemas hormonais, como a SOP e o hiperandrogenismo.

E quanto ao cabelo oleoso, o que fazer?

O couro cabeludo é uma região com alta concentração de glândulas sebáceas, que pode implicar em fios mais oleosos. Tanto que a dermatite seborreica é muito comum nesta região.

Alguns fatores, como estresse e banhos quentes, podem agravar o quadro. Um cuidado é apostar em shampoos feitos para esse tipo de cabelo, que também contenham ácido salicílico e enxofre na composição.

“Ao pensar em uma pele oleosa, é preciso considerar o histórico familiar, os hábitos de vida, possíveis disfunções hormonais e o uso de dermocosméticos ou maquiagem inadequada”, explica Juliana Neiva.

Assim, além de tomar os cuidados com a pele oleosa, é essencial refletir sobre o que pode desencadear essa oleosidade e contar, principalmente, com auxílio médico que vai poder orientar de maneira ainda mais específica.

Gostou de saber mais sobre os cuidados com a pele oleosa? Aproveite para conhecer a linha Granaderma, da Granado, com itens que podem ajudar sua pele, como sabonete antiacne e gel hidratante antioleosidade!

Carregando...
14755 visualização(ões)

Colaborou para este conteúdo

Dra. Juliana Neiva
Dra. Juliana Neiva

uliana Neiva é médica dermatologista e criou o conceito de beleza integrada, que trabalha a harmonia entre corpo e mente com auxílio da tecnologia. É formada pela Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), pós-graduada em Dermatologia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e pela Universidade de Columbia. <br><br> Também é autora do livro Guia prático da beleza por dentro e por fora, além de atuar como professora de Dermatologia e Cosmiatria na UNIRIO e membro da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia).